A cafeína te acorda e o álcool te faz cochilar, certo? Não é tão simples assim.

 

"> Você sabe como a cafeína e o álcool afetam seu sono? | O plano global de saúde da sua família

Bem estar

Você sabe como a cafeína e o álcool afetam seu sono?

Muitas pessoas gostam de começar o dia com uma xícara de café para ficarem mais alertas e ativas e no final do dia, aproveitam o ”happy hour” para relaxar, tomando um chopp, uma taça de vinho ou outra bebida alcoólica num bar ou em casa. Mas o que elas podem não saber é que as duas substâncias presentes nestas bebidas, o álcool e a cafeína, podem ter impactos negativos no sono. É o que explica Matthew Paul Walker, neurocientista e professor de neurociência e psicologia na Universidade da Califórnia, numa palestra no TED (Technology, Entertainment and Design):

“Todos sabem que a cafeína pode nos tornar mais alertas, pode nos acordar. Mas há, pelo menos, duas características adicionais ocultas da cafeína das quais algumas pessoas podem não estar cientes.

A primeira é a duração da ação da cafeína. A cafeína, para o adulto médio, terá o que chamamos de meia-vida de cerca de cinco a seis horas. Isso significa que, após esse período, 50% da cafeína que você ingeriu ainda circula no sistema. Também significa que a cafeína tem um quarto de vida de cerca de 10 a 12 horas. Em outras palavras, digamos que você tome uma xícara de café às duas horas da tarde. Pode ser que quase um quarto dessa cafeína ainda esteja circulando no cérebro à meia-noite. Como resultado, isso pode tornar mais difícil para uma pessoa adormecer ou até mesmo dormir profundamente durante a noite”.

Matthew Paul Walker explica que ao alterar a qualidade do sono a cafeína pode diminuir a quantidade de sono não REM profundo que temos que é o tipo de sono profundo restaurador. Como consequência, podemos acordar na manhã seguinte e não nos sentirmos revigorado.

Outra substância apontada por Walker que afeta nosso sono restaurador é o álcool. Nas palavras dele:

“O álcool é talvez um dos auxiliares do sono mais mal compreendidos que existem. Na verdade, ele é qualquer coisa, menos um auxiliar do sono. Ele pode ser problemático para o sono de, pelo menos, três maneiras diferentes.

Primeiro, o álcool está em uma classe de substâncias que chamamos de sedativos. Mas sedação não é sono. Estudos nos ensinam que essas duas coisas são realmente bem diferentes. A sedação é um caso em que simplesmente desligamos o disparo das células cerebrais, especificamente no córtex. E isso não é sono natural. De fato, durante o sono profundo sem movimento rápido dos olhos, por exemplo, o cérebro tem uma coordenação notável de centenas de milhares de células que, de repente, disparam juntas, e depois ficam todas em silêncio, e então todas disparam juntas, e depois ficam em silêncio, produzindo ondas cerebrais grandes e poderosas de sono não REM profundo. Essa é a primeira maneira pela qual o álcool pode ser problemático. Estamos confundindo sedação com sono profundo.

O segundo problema com o álcool é que ele pode, na verdade, fragmentar o sono. O álcool pode desencadear e ativar durante o sono o que chamamos de reação de luta ou fuga do sistema nervoso, que, portanto, o acordará com mais frequência durante a noite. O álcool pode até aumentar a quantidade de substâncias químicas de alerta que são liberadas pelo cérebro, fragmentando mais uma vez o sono.

A terceira e última questão do álcool e do sono é que o álcool pode bloquear o sono com movimento rápido dos olhos, ou sono dos sonhos que oferece uma série de benefícios como a saúde emocional e mental e até a criatividade”.

Como vemos, é importante estarmos atentos para o consumo destas duas substâncias se quisermos ter um sono restaurador, fator fundamental para nossa saúde física e emocional.

Para saber mais sobre os fatos e segredos por trás do sono noturno, acesse o link abaixo com as palestras do neurocientista Matthew Paul Walker no TED, todas com legendas em português.

https://www.ted.com/series/sleeping_with_science

Voltar para listagem